A deliciosa Vera Loca
05/06/2019 22:54 em Música

 
Como acontece com quase todos os jovens fãs de rock’n roll, a música os reune para começar a ensaiar e montar sua própria banda. Com esses “caras” não foi diferente, em 2001 cinco “guris”, se reuniram em Porto Alegre com a ideia de criar, tocar e ir adiante com o sonho de viver da música. Fabrício Beck (vocal e Guitarra), Mumu (contrabaixo), Hernan Gonzalez (guitarra), Luigi Vieira (bateria) e Diego Dias (teclado) formavam a Vera Loca, ainda sem saber que esse seria o nome da banda.

Leia a última matéria sobre Júpiter Maçã


Primeiro disco

Com o apadrinhamento pesado de Duca Leindecker, produtor musical e a época vocalista da Cidadão Quem, o grupo lançou seu primeiro álbum em 2002 intitulado “Meu Toca Discos Se matou”. E com esse disco veio o primeiro single que estourou em todas as rádios, Maria Lúcia, que alavancou o grupo e fez o primeiro sucesso da banda que viria a se tornar um das maiores do cenário do “rock gaúcho”.


O curioso nome “Vera Loca”

Em meio à gravação do CD a banda ainda precisava de um nome. Os integrantes da banda, vindos de cidades diversas como Tupanciretã, Santa Maria, Caxias do Sul e Buenos Aires, ainda não haviam chegado num consenso. Sem muitas alternativas e devido ao tempo que se esgotava depressa, surgiu a ideia de 'homenagear' a vizinha moradora do andar debaixo de onde a banda morava e ensaiava. Ela reclamava do barulho 24 horas por dia, enfim os seus espetáculos na janela tornaram-se corriqueiros, gritando para todo o prédio ouvir. A Banda resolveu perguntar ao porteiro qual era o nome dessa vizinha 'loca' e ele respondeu: Vera! Aí surgiu o nome da banda: Vera Loca.


Consolidação

Em 2005 a banda lança seu segundo álbum, o “Distúrbios de amor e rock’n roll”. Com este nova trabalho a Vera Loca, perde um pouco o seu lado psicodélico e assume um formato mais clássico e comercial, exemplo são as músicas “A Vida é de Graça” e “Suadinha”, que também são as que encabeçam as pedidas nas rádios daquele ano.

O “Vera Loca III” lançado em 2008, traz novos sons como “Velocidade”, que vem como carro chefe do projeto e “Aos meus amigos”. Mas a música que transcendeu a cena do rock, foi para muitos outros segmentos, seduziu quem não gosta do gênero, ganhou espaço em rodas de violão e festas de formatura, foi Borracho y Loco, uma versão da banda argentina “Lamento Boliviano”. O clipe da música no YouTube já ultrapassou a marca de 4 milhões de visualizações.



Sequência

Após exibição no Planeta Atlântida 2011, o ano de 2012 marcou o lançamento do quarto álbum de estúdio. Parece que foi ontem foi lançado no dia 4 de Setembro nos mesmos moldes do anterior. O nome escolhido, além de fazer uma alusão ao tempo de estrada da banda é também título da segunda faixa. Com produção de Ray-Z e Vera Loca, o disco foi gravado e mixado no Estúdio AudioFarm e masterizado no Magic Garden Masterin, nos Estados Unidos, por Brian Lucey, que masterizou o último álbum do The Black Keys. 


“A Certeza de como valeu navegar nesse mar”

O último álbum lançado pela Vera Loca, ilustra uma banda ainda melhor, com entrosamento à flor da pele. O rock pop sofisticado que fazem ganhou temperatura, realces e minúcias que sublinham seus predicados. E mais: “Pela primeira vez, temos composições dos cinco integrantes”, destacou Fabrício. O que agrada de imediato em A Certeza de Como Valeu Navegar Nesse Mar é um elemento que há muito se perdeu por aqui, no Brasil. É aquela veia afiada para esmerilar canções radiofônicas de qualidade. Temos um espectro que vai do trivial, com Do Trabalho Pro Bar e Canção Folk, ao denso, de Quem Sabe, Longas Tardes e A Nossa História – sobre a qual Mumu contou que trata da busca por algo perdido entre duas pessoas. “Só quem já sentiu um relacionamento arrefecer sabe que, se você acredita mesmo, tem que tentar algo”.


Hiato

Após sete discos e 17 anos de estrada, a Vera Loca anunciou uma pausa nas atividades para outubro de 2018. O último show antes da parada foi realizado no dia 16 daquele mês, no Festival da Cerveja POA, no Centro de Eventos do Shopping Iguatemi.

“São 16 anos dedicados a Vera Loca e, embora tivéssemos outros projetos, sempre priorizamos a banda. Somos muito amigos, uma família, moramos juntos por oito anos. Mas, nós precisamos dar uma renovada de energia. Já vimos muitas bandas que a gente admira fazendo isso, é saudável”, explica Mumu. O vocalista, Fabrício Beck, comenta que desde o início da banda, os integrantes não tiveram tempo para tocar seus projetos pessoais e curtir a família, este tempo será para isso. E que no segundo semestre de 2019 a banda voltará a se reunir para projetar o retorno.


Curtiu? Então larga mão de ser preguiçoso e compartilha com a galera!
Se achar melhor, volte para o início do site e se liga nas WP News.
Por Jean Lemes.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!